Colunas
 
Dom Bernardino Marchió é o atual Bispo Diocesano de Caruaru.
Dom Bernardino Marchió
 
22.07
A esperança que não decepciona

Todos os dias, nas minhas andanças missionárias, encontro muitas pessoas. Algumas manifestam a alegria de viver na simplicidade e na confiança em Deus que dirige as suas vidas. São pessoas otimistas porque sabem o que querem e não são gananciosas. Encontro também, pessoas sempre amarguradas e insatisfeitas. São sempre pessimistas que encontram defeitos em tudo. Talvez seria bom refletir um pouco sobre a virtude da Esperança.

O filósofo Ernst Bloch acredita que a esperança é mais que uma virtude entre outras. É o motor que temos dentro de nós, que alimenta todas as outras virtudes e que nos lança para frente, suscitando novos sonhos de uma sociedade melhor. Daí podemos falar de "princípio esperança".

Para entender a esperança, precisamos ultrapassar o modo como vermos a realidade. Pensamos que a realidade é o que está aí, apresentado a nós como algo acabado e fechado; temos que tomar consciência de que nunca enxergamos o todo da realidade. O real é sempre maior, ainda que pertence ao real o potencial o que ainda não é e o que pode vir a ser. Esse lado potencial do real se expressa pela utopia, pelos sonhos, pelas projeções de um mundo melhor. É o terreno onde floresce a esperança.

Ter esperança é crer que esse potencial pode se transformar em real, não automaticamente, mas pela prática humana. Portanto, a utopia que alimenta a esperança não se contrapõe à realidade. Ela revela seu lado potencial, aquela energia que quer sair para fora e fazer história.

A esperança é patrimônio da humanidade. Dizem que a esperança é a última que morre. Mas bom mesmo será acreditar que nunca morrerá. Pelo menos segundo a visão de Deus, pelo que nos conta o poeta francês Charles Péguy em seu belo poema sobre esta virtude:

A fé de que eu mais gosto, diz Deus, é a esperança. A fé não me impressiona. Ela não causa espanto. A caridade, diz Deus, não me impressiona. Ela não causa espanto. Mas a esperança, diz Deus, eis algo que me impressiona. A mim mesmo.

Ela é espantosa. O que me espanta diz Deus, é a esperança. E não consigo me recobrar desse espanto. Essa pequena esperança que tem ar de não ser nada. Essa pequena menina esperança. Imortal.

Esta esperança vai fornecer as energias para a população que sofre por causa das crises econômicas e políticas.

É importante renovar a nossa fé:

Com Deus existindo, tudo dá esperança, o mundo se resolve. Tendo Deus é menos grave se descuidar um pouquinho, pois no fim, dá certo. Mas se não tem Deus, então, a gente não tem licença para coisa nenhuma.

Portanto, a fé é expressão de nossa saudade de Deus, mas a esperança é a consciência de que Deus está ao nosso lado, ainda que invisível, nunca nos abandona e nos faz esperar contra toda a esperança.

 

 
 
 
publicidade