Colunas
 

Herlon Cavalcanti
 
21.04
Ao Mestre Coutinho

A vida é um livro aberto cheio de surpresas e encantos. Em cada página, uma história boa para contar; em cada capítulo, um movimento de aprendizado, luz e imaginação. Nessa peleja do tempo, muitos são os personagens que narramos e que nos enchem de orgulho e paz na construção da memória e da história.

Hoje resolvi prestar minha singela homenagem ao nobre amigo Gimison de Bulhões Coutinho, o nosso inesquecível Coutinho.

Ele nasceu em 1959, no Rio de Janeiro. Com 1 ano de idade, sua família mudou-se para o Recife. Por lá, tudo começou. O pequeno Coutinho era um menino introvertido, alegre, brincalhão e cheio de sonhos. Sua vida foi sendo moldada com muito amor, sacrifícios e lutas.

Depois de adulto, sua vida profissional foi um sucesso. Ele morou em Minas, São Paulo, Maranhão e, em 2013, chegou a Caruaru para fazer sua história. Em nossa terrinha, o "velho" e bom Coutinho era um homem observador, ligado nas questões sociais e com um olhar crítico sobre a política e seus "comandantes". Ele também era apaixonado pela cultura local, as histórias do nosso povo, as suas tradições e os nossos costumes.

Coutinho, um cara de muita leitura de mundo. Sua forma de enxergar a vida era percebida por todos. Um homem sereno, conciliador, atencioso, humano, pai de seis filhos, ético e muito parceiro. Era assim que todos aclamavam e o respeitavam.

A toda hora era comum ver Coutinho com um livro nas mãos. Sua leitura diária coloca no patamar de um dos homens mais inteligentes que conheci. Ele era formado em Administração de Empresas e sua gentileza e rapidez em resolver um problema eram percebidos por todos que o procurava.

Na parte da política, sua formação era de esquerda. Ele lutava pelo povo e para o bem comum de toda sociedade. Filiou-se ao PPS e depois ao PMN, onde era o atual vice-presidente. Coutinho trouxe para o partido a sua experiência, sensatez e a inteligência de perceber as ações e as movimentações locais, estaduais e nacionais. Ao lado de Eduardo Mendonça, Carlão, Tibúrcio, Dorgival e tantos outros companheiros(as), construiu um partido independente e com propostas positivas para um novo amanhã.

Em janeiro deste ano, o amigo Coutinho descobriu um câncer de pulmão. Isso lhe deixou debilitado, mas nunca desistiu de sonhar e lutar. No dia 15 de abril do ano corrente, Jesus chamou Coutinho para compor a mesa diretora da política do céu, ao lado de Carlos Lamarca, Carlos Prestes, Gregório Bezerra, Arraes, Abdias Lé, Reginaldo Melo, Fernando Lyra, Margarida, Olga Benário, Tancredo Neves, Ulisses Guimarães, Fidel, Che Guevara e tantos outros.

Parabéns à memória de Coutinho, um cidadão do mundo de alma e mãos limpas.

 

 
 
 
publicidade